RésVés

 

Tekhnê era a palavra grega para Arte. Ligava a arte à técnica de saber fazer, de entender os limites e possibilidades dos materiais, de transformar as coisas segundo regras de conhecimento acumulado.
Criou-se – por necessidades políticas e culturais – uma separação hierárquica entre arte e artesanato: entre quem fazia o quê, com quê, para quê e para quem.

Neste RÉSVÉS voltámos à raiz: 12 artistas que aprendem, tocam, cheiram, fazem, falam, experimentam, entendem e conhecem o trabalho e a prática ancestral de artesãos do concelho de Castro Marim.
Cada um de nós, ao longo de dez dias de residência, foi incorporando ideias nos projectos aqui apresentados, que só são possíveis depois da partilha destes breves contactos: não são obras finalizadas, são parte da experimentação e do processo de quem acabou de se maravilhar.

Amassar, pintar, ripar, fotografar, fiar, colher, rendilhar, empreitar, filmar, coser, imprimir, cardar, desenhar, tecer, atirar, esculpir, expor, ceifar, moldar, montar. Tudo isto faz parte de um mesmo contacto profundo com os materiais: com o que eles são e podem vir a ser para o outro.
Em contacto – sentimos aqui – as delicadas relações entre terra, tempo, esforço e detalhe; os ciclos da matéria-prima, a concentração e repetição necessárias para entrelaçar objectos e pessoas.

Se o artesanato não é arte, então isto não é uma exposição.

Valter Ventura
para a exposição "RésVés - Residência Artística"
Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa
Castro Marim, Algarve, 2019